Competir com pouco contato físico também é bom

Na área esportiva não faltam opções para atender as necessidades e gostos de cada pessoa.

Há pessoas que se interessam por competições com grau elevado de contato físico, como o futebol, handebol, basquete, Rúgbi, entre outros.

 

Educandos jogam volei|Foto: Maria Rita/instituto.cancaonova.com

 

Existem também aqueles que querem competir, porém, não se adaptam ao contato direto com o adversário e preferem modalidades como o voleibol. Além de prazerosa, esta prática proporciona muita movimentação dos membros superiores e inferiores com o mínimo de proximidade ao oponente.

Há a possibilidade de fazer um bom trabalho de fortalecimento de pernas (principalmente) e braços através de treinamento com orientação de profissionais capacitados.

O aluno Leandro José Pereira Barboza (8° ano C) do Instituto Canção Nova escolheu praticar o voleibol, pelos benefícios à saúde, “eu gosto também e o meu tio me incentivou a jogar com ele”, completou o estudante.

Já para os irmãos Matheus Daniel dos Santos Souza (1° EM A) e Beatriz Aparecida dos Santos Souza (3° EM A), a modalidade tem um significado especial. Isso porque a vivenciaram desde a infância, pois sua mãe Valnaira Santos Souza foi jogadora profissional do time de Resende-RJ e os incentiva até hoje.

Ambos querem seguir os passos da mãe. “Se Deus quiser, neste final de ano eu vou conseguir entrar no time de Taubaté e realizar o meu sonho de ser jogadora”, ressalta Beatriz.

Seja por competição ou pela saúde, sinta-se desafiado a experimentar momentos saudáveis de felicidade e descontração, treinando algo gostoso e divertido como o vôlei.

Leia também:

Musculação como fonte de saúde

Jogos eletrônicos x Responsabilidades escolares

 


Paulo Carvalho

Paulo Carvalho é especialista em treinamento físico com ênfase em Fisiologia, Educação Física Escolar e Recreação pela Esc-Esefic e Jornalista pela Faculdade Canção Nova. Atua como Educador Físico no Instituto Canção nova.