Os jogos como "todo movimento, todo vida, todo alegria" (Dom Bosco)

Jogo educativo – Quebra-cabeça Soletrando | Foto: Maria Rita/instituto.cancaonova.com

 

Jogo, brinquedo e brincadeira são recursos, instrumentos e estratégias eficazes para a realidade escolar. No entanto, é necessário que o educador, ao usar estes recursos em sala ou no pátio, preserve as relações lúdicas, afetivas e de socialização para obter eficácia no processo de aprendizagem.

Os jogos interferem diretamente no desenvolvimento da imaginação, das relações, da criatividade, do movimento, da autoestima e da linguagem. Uma aula planejada com jogos estimula a atenção dos alunos, a concentração, capacidade de resolver problemas, criar hipóteses e trabalhar em grupo. Cabe ao educador a preparação dessas atividades lúdicas, com clareza e convicção nos objetivos e justificativa propostos, na metodologia e avaliação vivenciadas.

É importante criar jogos que explorem os processos de aquisição da leitura e da escrita, compreensão das letras, palavras, conceitos e significados. Jogos de sequências, trilhas, caça-palavras, cruzadinhas, jogo de erros, “jogo dos absurdos”, jogos simbólicos e de regras, dentre tantos outros, com a possibilidade de trabalhar os nomes das crianças, números, quantidades, personagens de histórias ou conteúdos específicos das disciplinas.

Brincar e jogar é uma expressão de vitalidade mental, que ultrapassa as necessidades imediatas, estimula o crescimento cognitivo e dispõe de um caráter terapêutico. No jogo, a criança pode fazer associações, combinações, resolver problemas, expor emoções contidas, organizar grupos, diferenciar modelos e características. Os jogos contribuem também para a resolução de frustrações, complexos e dificuldades relacionais.

 

blocos educativos | Foto: Thalita Sianne/instituto.cancaonova.com

 

Jean Piaget, biólogo e psicólogo suíço, desenvolveu em suas pesquisas a teoria da construção do conhecimento. Ele afirma que “O jogo é um tipo de atividade particularmente poderosa para o exercício da vida social e da atividade construtiva da criança”.

Donald Woods Winnicott, pediatra inglês, define que “é no brincar, e somente no brincar, que o indivíduo, criança ou adulto, pode ser criativo e utilizar sua personalidade, e é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o eu”.

Essas duas definições nos auxiliam a concluir que os jogos são recursos indispensáveis no cotidiano e na vida escolar, pois favorecem a socialização das crianças, os processos de aprendizagem, o despertar para a criatividade e o desenvolvimento de habilidades cognitivas da criança.

Leia também:

Edith Stein, uma visão educativa

Que tal humanizar a educação?

Uma escola com cara de família

 

 


Ana Luiza

Ana Luiza Lopes Sinieghi nasceu em Aracaju/SE. É missionária na Canção Nova desde 2006. Cursou Pedagogia na Universidade Federal de Sergipe e é pós-graduada em Gestão Democrática, pela Universidade de Taubaté (UNITAU). Atualmente cursa mestrado e atua no Instituto Canção Nova como Diretora-Adjunta.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Ele será aprovado automaticamente.